terça-feira, 25 de novembro de 2008

Primeiro dia de neve em Wisconsin Dells

Hoje foi um dia diferente dos outros aqui de Wi Dells. Porém antes de começar a falar de hoje, vou falar um pouquinho de ontem, que apesar de não ter tido graaaanndddess acontecimentos, teve fatos que eu gostei.

Apesar de ontem, domingo, ter sido um dia normal (normal para mim que sou um trabalhador em dias de domingo), aconteceu algo que foi legal par mim. Gente, legal, não engraçado como vocês já devem estar pensando ai.

Bom, vamos aos fatos. O dia em si foi normal, trabalha ali, afazeres normais dacolá, muita gente com fome, para meu desespero, pois quanto mais gente com fome, mais eu trabalho =/. Mas tudo bem, já estou me acostumando com isso, a única coisa que eu não me acostumei foi com o jeito que o povo faz o sanduíche aqui, pois aqui eles priorizam muito a velocidade, porém não a qualidade do sanduíche, e isso me choca, porque quanto mais rápido for, melhor, e pensem na lesma aqui. Aqui eles entregam o sanduíche caindo aos pedaços para a pessoa; socam tanta coisa dentro daquele pão que eu acho que quando a pessoa abre, voa presunto, almôndega, alface e molho para tudo quanto é lado, e a pessoa que se vire com aquele lanche, porém foi atendida em 2:30 minutos, é foda. Bom, o processo de montagem de um sanduíche é como uma linha de produção, tem várias etapas, começa pela escolha do pão, carne e queijo, que é uma pessoa que faz, ai vem outra pessoa ajudando nas verduras e eu fico na etapa semi-final, terminando com as verduras e colocando molhos, depois de mim só falta embalar o sanduba e quem faz isso é quem fica no caixa, pois ai esta pessoa visualiza qual o tipo de sanduíche e faz a cobrança. Eu nunca consegui ser muito rápido com essas coisas, trabalhos manuais, isso me deixa louco... e lento, mas paciência. Então quando estamos fazendo o sanduba, duas ou três pessoas na fila, talvez quatro ou cinco é tranqüilo, não exige toda aquela habilidade e velocidade, você vai trocando uma idéia (em inglês) com o cliente, fingi que entende, enquanto isso faz o sanduba e pronto, vai na maciota. Até ontem eu nunca tive apuros lá, sempre foi muito tranqüilo, poucas horas que davam um pouco mais de gente na fila, mas era fácil. Porém, ontem estamos lá, na linha de produção, duas ou três pessoas na fila, estamos levando na manha, quando de repente, como um foguete que cai no seu jardim do nada, simplesmente para um ... um ônibus na porta do subway, eu pensei que não era nada, na hora foi di boa, mas de repente, começou a descer jogadores lá de dentro, e descia gente, e descia, e descia gente que não parava mais, e esse povo começou a entrar no subway e a fila foi crescendo e crescendo e crescendo, de repente o povo já quase não cabia mais dentro da loja. Foi me batendo um desespero, eu fui ficando tenso, o calorão foi subindo no corpo e eu já não sou lá tão rápido, na hora da pressão, ai que eu me atrapalhava mesmo, o povo pedia Letuce (alface) e eu colocava cucumbers (pepino) e pedia onions (cebola) e eu colocava olives (azeitona) e virava aquela bagunça e eu só ia percebendo a linha de produção travando em mim. Pensem no desespero. Eu só escutava a gerente, a qual fica no caixa do meu lado falando: “Fast, fast”, e eu pensava: “Ai Meu Deus, o que que eu faço, porque nem dialogar com esse povo eu não consigo, se fingir que to passando mal, nem explicar o que eu to sentindo eu dou conta, que que eu faço?”,simplesmente fiquei desesperado porque eu não tinha saída, eu tinha que ficar ali, mesmo travando a linha de produção, mas tinha, acho que nunca fiquei tão desesperado na minha vida... UFA, que sufoco passei, mas deu certo, sobrevivi.

No final da tarde, quando tudo estava mais calmo e eu já tinha terminado meu trabalho, batido meu ponto, foi um brasileiro lá me pegar, eu tinha combinado com ele no dia anterior pela internet, nunca tinha visto o cara, mas ele honrou a promessa, foi lá e ele foi me mostrar de verdade a tão falada Wisconsin Dells. Gente, e não é que é verdade, existe vida e mais cidade além das ruas cumpridas que eu conheço e caminho todos os dias. Seu nome é Renato, um cara gente boa, cabeça, ta morando aqui já tem um mês, é bem focado no que quer e é bem agradável também, realmente um brasileiro bacana de se conhecer. Fomos dar um rolé e ele me mostrou o centro da cidade e outros pontos que são interessantes de conhecer e que eu nem sabia que existia, foi muito bacana e interessante o passeio. A cidade aqui, apesar de pouco habitada, é grande e larga, o que torna as coisas longes, e para quem não tem carro aqui como eu, não conhece o outro lado de Dells. O passeio de ontem a noite foi bom, abriu um pouco mais minha cabeça a respeito desta cidade.

Hoje, foi meu Day Off de novo, pois eu e o Bruno (meu roommate) íamos com nossa empregadora numa cidade aqui próxima tirar nosso social security (que é como se fosse uma carteira de trabalho aqui nos EUA). Então o Bruno acorda e levanta (como sempre antes de mim, pois quase morro de preguiça para levantar de manhã) e só fala assim pra mim: “Murilo, essa noite nevou”. E eu falei: “Ah, mas nevou outros dias também”, ai ele responde: “Não BANANA, nevou mesmo, olha” e aponta para a janela, ai que eu fui ver que realmente tinha nevado MESMO. Foi a primeira vez que eu vi tanta neve junto e uma paisagem branca na minha vida (foto da nossa janela abaixo).

Me troquei e saímos para encontrar com nossa empregadora e quando abri a porta de casa, a camada de neve estava gigante e foi ai que saímos como dois bobos e brasileiros láááááá do interior do Brasilzão para ver como que era a neve, as expressões eram assim: “Nossaaaa, é gelada mesmo”, “Nooossaaa, quando derrete vira água mesmo”, “Noooosssaaa, que legal, da para fazer bolinha com a neve”. Essas coisas que só brasileiro idiota fala né, pois é sou um deles, auhauhauauhuha.

Fomos na cidade, voltamos, coisa rápida e nada de mais e é claro que enquanto isso tiramos 498749872984789 fotos da neve,filmamos os lagos e paisagens congeladas, aquelas coisas normais que vocês já sabem e imaginam. Nada de mais.

Chegamos em casa, comemos e resolvemos ir lavar nossas roupas e depois ir no Wal Mart comprar algumas coisas, e como tudo aqui é longe, lá vamos nós para mais uma caminhada. O grande detalhe da neve é que realmente, vou ressaltar, ela é molhada, e outro detalhe, ela no chão parece um sabão, portanto, vocês já estão imaginando né. Aaaahhhhh, é claro que não seus bobos, dessa vez eu não cai, uahauhauuaha, mas confesso que quaaaassseeee, eheheheh. Se for para enumerar as vezes que eu escorreguei a gente não sai daqui hoje, mas a que eu mais passei perto de sentir a dureza do solo americano de novo (portanto dessa vez molhado, sujo e gelado) foi um momento que eu realmente estava caminhando tranquilamente e de repente, o Bruno olha pra mim e parece que eu to dançando um Break, as pernas iam para um lado e para o outro como um rapper, e eu só solto aquela expressão: “Uuuuu.... uuuufffaaaaaaaaaaaaa”, o aaaaaaaaaaaa foi no final quando eu já tinha conseguido o equilíbrio novamente, mas confesso pra vocês, quase beijei o solo americano de novo, passei perto disso.

O resto do dia foi a gente lavando roupas naquelas lavanderias igual vemos em filme, e é claro, dois brasileiros do interior, em terras desconhecidas americanos, 98729847398247 fotos e filmes e pega o sabão e tira uma foto e coloca na máquina e outra foto e o americano atrás vendo os dois retardados e ai vamos vivendo, daquele jeitinho bem brasileiro de ser.

Depois disso fomos no Wal Mart, nada de mais, o mais engraçado disso era a gente caminhando, a neve caindo de leve, o frio batendo e o Bruno falando: “Murilo...” e eu: “Queeee Bruno”, e ele: “Será que tem nariz para vender no Wal Mart, porque o meu eu já perdi congelado, esse que eu tenho aqui já era”, auhauahuahhaa, e eu olhava para o nariz dele e via aquela coisa avermelhada, auhauhauhuahauuaa, quase morria de rir. Era muito engraçado. Compras feitas, de volta para casa, caminhando again, mais escorregões normais, o Bruno ficando sem o nariz dele de novo, tudo na mesma, nada de novidades.

O bacana foi que quando eu estava no MSN a noite, o Renato me chamou para irmos num boliche aqui em Dells. Poxa, que legal, eu ia sair pela primeira vez a noite aqui para ir num boliche, gostei da idéia e fomos lá. Ele mora com um galera toda estrangeira, polonês, alemão (acho), outros que não sei de onde são e mais um americano, então resumindo a ópera, bate-papo só em inglês e o Murilo calado de novo, dando umas risadinhas para se mostrar agradável e fingir que tava no assunto, porque abrir a boca para conversar mesmo que era bom, NAADDAAA!!! Auhauhaa. Mas foi legal. Conheci como é um pouco do estilo da vida noturna americana (que por sinal tem mais mexicano que americano, ehheehhe) o boliche rolando, algumas mulheres feias fumando e as coisas acontecendo, que legal, existe vida em Dells e eu não sabia! O mais legal da noite era eu cantando distraidamente as músicas em inglês, aqueles hip hop da hora, essas coisas, mas cantando assim né: “”lai que sem da land e eu não sei, eh sim q no fil, laique não Il, e já não ei...”, coisas de brasileiro, e eles rindo da minha cara e perguntando o que eu tava cantando. Tudo bem que eu não sabia onde colocar a cara de vergonha, mas foi engraçado, uahuahuahha, me diverti com eles, uma turma nova, até nome americano eu ganhei. Na verdade tive dois nomes na noite, primeiro nome que me arrumaram foi um tal de Mourilalalalalaaaaa, uahuahuhauhaua, fiquei tenso com isso, ai eles me arrumaram outro: Marry, é foda, falei que esse nome era de mulher e era um nome muito gay, mas eles insistiram que poderia ser usado pra homem também e meio que ficou esse nome pra mim. É foda mesmo, até nome de mulher agora eu tenho que ganhar nesse país. Ai é paia. Hehehehe, mas a noite foi legal, diferente das minhas noites habituais aqui em Dells.

Bom galera, é isso, o mais é que cheguei aqui em casa e resolvi postar pra vcs, são 03:50 da manhã aqui, 07:50 da manhã no Brasil e that’s it.

Bye bye, see you later.

Kissess

4 comentários:

ludmila disse...

kkkk bom d ++ ler o q vc escreve.
Normall pra quem vive aki USA, eu ja passei e passo cada rata q nem tenho coragem de postar kkk
a respeito do ingles, normal, so com o tempo e bota tempo p gente aprender,opa achar q aprendeu rs
espero q esteja gostando, a vida ai e um pouco diferente da loucura de NY, e qndo quiser vir conhecer aki e so falar...
e o ano novo?? anima vegas?? ta indo eu e + 6 amigas...sai do goias dakele tanto de mulher e chego aki e so ando de tropa feminina :)
vc tem fone??
bjmm

Rosy disse...

murilo, vc mesmo um BANANA, camarada, feliz, bem humorado e sabendo aproveitar bem sua vida em Dels.

Rose disse...

Bananinha do meu coração! Morro de rir de vc!!!!
Aneiiiimmmmm!
Fico imaginando as cenas, e o pior, sei que deve ser tudo verdade! hauahuahauhaua
bjo grande nosso!!!!

Gabriel Ferreira disse...

Velho vc é o brasileiro mais figura dos ESTAQUES KKKKKK velho deve estar sendo otimo é isso ai curte mesmo a night ai para sentir saudades das mulheres de Goiania. ehehhehehe