terça-feira, 18 de novembro de 2008

Terceiro dia de trabalho, cheguei em ponto!!! =)

Hoje o dia foi tranqüilo, não aconteceu muitas coisas interessantes não. Mas vamos lá para os fatos.

Devido meu atraso de ontem, eu já fiquei mais esperto do que o normal (pois diga-se de passagem sou muito esperto =) e sai de casa faltando 45 minutos para as 10, horário que eu começo minhas atividades diárias aki em Dells. Fui esperto mais uma vez pq não sai comendo nada nakele frio, então minhas mãos estavam protegidas pelas luvas, portanto, desta vez não passei nem perto de perder os dedos da mão como ontem, ehhehee.

Como sempre, estava eu caminhando sozinho, sem ninguém nas ruas e foi que como tudo tem sua primeira vez, eu vejo como uma miragem, como alguém q esta a dias caminhando no deserto e vê um oasis, eu vejo de longe duas pessoas caminhando na calçada. Finalmente! Existe pessoas que andam a pé nesta cidade, logo pensei. É claro que como bom brasileiro que sou, atravessei a rua para passar ao lado dos dois bípedes que usam os pés para caminhar e não para apertar as pedaleiras dos carros como todos os outros americanos da face da terra, ehhehe. Na verdade eu pensei que os dois eram brasileiros, pois para andar a pé só podia ser brasileiro como eu, sem carro e meio perdido por essas bandas aki. Quando passei por eles, um deles já foi acabando com minha esperança de ser alguém que falava minha língua pois já soltou um Hiii dakeles bem americanizados, eu respondi com um Hiiii também e pronto, mas foi ai que eu prestei atenção na pessoa que vinha logo atrás, ele usava um gorro verde, igual ao do Goiás, e tinha um símbolo G igual ao do Goiás, ta certo que o símbolo era um pouco mais pontudo, mas era um G e um G num gorro verde, andando a pé as 9:40 da manhã aqui em Wisconsin Dells, é claro que só podia ser brasileiro, e melhor ainda, torcedor do Goiás, puxa, eu estava com muita sorte, que coincidência, pensei. Foi ai que ele passou por mim, e eu não perdi a oportunidade, perguntei (em português é claro): “Oi, você é brasileiro?” (pensem no meu sorrisão no rosto, puxa, eu tinha acabado de encontrar o primeiro brasileiro em 5 dias sem falar nada de português com as pessoas), foi ai que veio a resposta do outro lado, também com um sorrisão no rosto de quem não tinha entendido nada que eu tinha dito: “Hi man, What are you doing?”. Como felicidade de pobre dura pouco, soltei um “Fine, thank you” e continuei caminhando triste da vida, mas tudo bem, o importante era chegar a tempo no trabalho. E com muita caminhada e dando umas forçadas de vez em quando eu cheguei no job as 9:58, que legal, cheguei no horário.

O restante do dia foi tranqüilo, corta um tomate seboso daki, pica uma cebola fedida dali, faz um sanduíche nojento dacolá e assim vai passando o dia. Nada de acontecimentos interessantes.

Há, o legal foi que dois caras do Brasil passaram lá no Subway, um cara do São Paulo que eu sabia que estava aqui e eu passei lá no hotel dele e deixei recado, ele foi lá com um outro brasileiro, conversamos por alguns minutos e depois foram embora e já combinamos de fazer uma farra qualquer dia desses. =)

Fiquei o dia todo fazendo essas inúmeras atividades que eu já relatei e tentando conversar com a Syana, que é a menina do Kungstão que trabalha lá também. Foi legal, devagar vou pegando os macetes do inglês e vou aprendendo. Syana é uma menina legal, parece meio japonesa com seus olhos puxados, é magra, pele morena, cabelos negros e lisos, nem um pouco bonita, porém muito simpática e com os dentes, argh, sujos e feios, credo, mas é uma pessoa bacana, ehhehe, tem me dado umas dicas bacanas daki.

O bacana foi que no final da tarde tivemos uma reunião, minha primeira reunião em inglês e adivinhem??? É claro que eu não entendi naaaaddddaaaa, auhauhauhau, no final perguntaram se estava tudo Ok e é claro q eu mais uma vez abri akele sorrisão e disse: Ok, Ok, como se tivesse entendido tudo, uahuahuhaha, mas dessa vez fiz uma cara tão lerda que até eles perceberam q eu não tinha entendido bulhufas, uhauhahahua, e todo mundo caiu na gargalhada, foi engraçado.

Voltei para casa com a Syana e seu namorado, detalhe, os dois fumando dentro do carro com os vidros fechados, quase morri em dez minutos no banco de trás mas tudo bem, consegui sobreviver por esses poucos minutos respirando por minha luva.

Um pouco mais tarde chega meu primeiro roommate, um cara legal chamado Bruno, formado em Geografia numa cidade a qual esqueci o nome no MS divisa com SP. Conversamos um pouco, rimos a respeito das bobeiras que cada um deu nas suas viagens e foi isso. Nada mais.

To indo dormir agora e dpois nos falamos mais.

Aquele abraço.

3 comentários:

MILTON ALVES disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Estou morrrrreeeendo de rirrr aqui BANANA!

E louco pra chegar..rsr

Falouz

Lukas disse...

ei, em qual subway voce esta trabalhando?

Gabriel Ferreira disse...

Velho ta sendo massa essa historias continua eu acho que tu vai pegar a menina do KURSKTAO SEI LA O QUE EHHEEH