domingo, 30 de novembro de 2008

Um Minino Chamado Mirto (Ele Comeu, EEEEEEEEE \o/)

Hoje vou falar de um grande amigo meu, Milton Ferreira Alves, mas conhecido como Mirto Minino. Mirto minino é o grande responsável por eu estar aqui nos USA fazendo este programa de Work and Travel. Como sempre vou começar do começo para explicar toda a história.

A primeira vez que vi o Mirto Minino foi na dinâmica de grupo do processo seletivo para trabalhar na UCG (Universidade Católica de Goiás), pois participamos da dinâmica juntos e na época eu lembro muito bem dele, pois ele havia se destacado muito com suas belas palavras a respeito de si mesmo naquela hora do quem sou eu, no dia lembro direitinho em ter pensado: “Que menino enrolão, Meu Deus”. E realmente, sua belas palavras conseguiram enrolar muito bem as psicólogas (as minhas também, não posso esquecer de me dar crédito aqui também, eheheh) e logo depois disso fomos trabalhar juntos na Biblioteca da UCG.

Milton é um grande amigo, tem aproximadamente 1,70 metros, magro, cabelos escuros, inteligente e bem determinado no que quer da vida. É um cara estudioso, amante da biologia e do conhecimento, profundo conhecedor dos livros da Biblioteca Central de Goiás, sabendo de cabeça até mesmo a classificação de vários, ehehee.

Junho de 2007 nós estávamos trabalhando lá na Biblioteca e começamos a falar a respeito deste assunto de intercâmbio, pois era algo que eu sempre quis, e disso surgiu também a vontade no Milton e ele começou a mexer os pauzinhos para realizar o Expirience in USA.

Eu esqueci desse assunto, o tempo passou, sai da Biblioteca, fui ser psicólogo e em julho deste ano deixei de ser psicólogo para ser nada (para não dizer desempregado, ehehhe) e resolvi fazer o intercâmbio também, foi ai que conversei com o Milton e resolvemos fazer o programa juntos.

Bom, a partir daí vocês já sabem minha trajetória e antes de ontem, quem chega em Wisconsin Dells, ninguém melhor do que o Mirto Minino. Não me esqueço do seu sorriso de alegria e o abraço feliz que me deu quando nos encontramos aqui, foi algo bacana. Fiquei feliz em rever o Milton e agora mais do que nunca tivemos a certeza de que nossos planos estão começando a dar certo =).

Foi nessa hora que eu tive que virar pra ele (Gente, eu juro que eu tentei não fazer, mas eu não resisti) e tive que perguntar pra ele se ele estava com fome (auhauauhauhuhauha) e a resposta tão esperada surge da boca de Mirto: “Sim, to querendo comer alguma coisa mesmo”, quase pulei de alegria na hora e falei: “Tem umas bolachinhas esperando por você (auhauhahauaha, sou muito mal =)”. Foi ai que descemos e mostrei para ele o saco de bolachas que estava na geladeira (para não perder, ehhehe) e ele comeu algumas bolachas feliz da vida, auhauhuahahuaa. Pensem na minha felicidade no momento. Ficou faltando só 4 bolachinhas, de um pacote que quando eu comprei tinha umas 60 bolachas. Ta bom de mais. O que eu achei melhor, foi ele falando depois: “Depois precisamos ir no Wal Mart para comprarmos mais dessas bolachinhas”. Eu lembrava do blog, pensava em vocês rindo aqui, dava um sorrisinho de leve por fora (por dentro eu estava me matando de tanto rir) e falei: “É, a gente vai lá depois para comprarmos”. Uahuahahauha. Eu dava umas risadinhas na hora pq realmente eu não agüentava. Foi muito engraçado. Ehheheheh.

No outro dia, foi meu Day Off, então sai com o Mirto Minino para darmos uma volta, ele comprar roupas, pois as roupas que ele estava não dava para segurar o frio daqui de Wisconsin Dells, e para ele conhecer um pouco mais a cidade.

Bom, como boas pessoas que gostam de caminhar, começamos nosso trajeto então, caminhando é claro (até mesmo porque não tínhamos outra escolha, ehehhee). Nessa etapa inicial, eu emprestei um gorro para o Mirto, ele pegou umas luvas do Bruno emprestadas e fomos. Nos primeiros três minutos de caminhada olho para o Mirto e vejo ele meio pálido e pergunto: “Que foi Mirto?” e ele: “Tá frio aqui né!”. Gente, não é maldade, mas eu não me agüento, eu quase morro de rir, auhauaahuhahauaha. Não tava nem perto de fazer frio mesmo, tava um friozinho e ele já não estava agüentando, eu quase morria de rir.

Fomos caminhando, caminhando, conversando, caminhando, tirando foto e eu só escutando as expressões do Milton: “Acho que não to sentindo mais o meu queixo!”; “Meu Deus, que vento gelado”; “Nossa, a neve é gelada mesmo” e a gente caminhando (esta hora eu estava mostrando o caminho do Subway para ele, pois ele vai trabalhar lá também) eu olho para ele, vejo um cara branco, com a cara séria, expressão de cansaço e tensão e escuto a tão esperada fala: “Nossa, é longe mesmo heim”. Uahuahahuaaa, quase cai no chão de rir. Acho que eu já tinha visto gente sofrer, mas como o Mirto tava sofrendo ali eu acho que nunca tinha visto. Foi muito engraçado.

Subway, depois Wal Mart (dessa vez de carona). Roupas, luvas, casacos, moletom e tudo mais para proteger do frio, compras feitas, go back pra casa. O engraçado dessa parte é que o minino tava sofrendo tanto com o frio antes de chegar lá, que ele vestiu tudo que comprou e ai fomos, caminhando como sempre. Andamos, andamos, andamos e de repente escuto a expressão de novo, só que desta vez ao contrário: “Nossa, está quente aqui com esse tanto de roupa”, uahuahahaua, eu não me agüentava, mas também, ele tava com tanta roupa que nem bala atravessava aquele tanto de pano, auhuahuhahua, foi engraçado de mais. Depois que chegamos, um pouco mais tarde, fomos comer uma pizza, umas 5 quadras daqui de onde moramos, quando eu e o Bruno chamamos ele, a expressão de sofrimento era eminente, só escutei um “Não tenho estrutura não, mas vamos lá”, mas enquanto caminhávamos eu prestava atenção nele, as caras de sofrimento e cansaço eram tão eminentes, pensem num homem sofrendo, era o Mirto Minino.

Hoje, fomos trabalhar, e o Mirto Minino já foi recepcionado com uma nevasca daquelas bem feias mesmo. Até pra mim foi novidade, nunca tinha caminhado com a neve caindo no rosto e tal.

Trabalhamos, foi legal, o Milton aprendeu um pouco do trabalho e a tarde ele ia no Outlet daqui (local como se fosse um shopping), ele saiu as 5, eu ia sair as 7 e o Bruno as 8. Porém poucos minutos antes de ele partir a Ashley ofereceu carona para ele e só escuto um: “Com essa neve caindo, não posso recusar”.

Bom, ele se foi e logo em seguida vamos eu e o Bruno, a neve caindo forte, eu todo coberto, parecendo o Jaspion, até de gorro que cobre o rosto todo e só deixa o buraco dos olhos eu estava usando. Esse tipo de roupa é bom, porque protege o corpo todo, porém é inacreditável, não é possível, eu sou azarado demaisss, eu com o corpo todo coberto, a neve podia bater em qualquer lugar do meu corpo mas onde ela insistia em cair? Era cada nevada nos olhos que eu quase ficava cego, não tinha lógica. Ooo tristeza, mas chegamos vivos em casa, ehehhee.

Bom, no mais é isso, depois conto mais a respeito das loucas aventuras minhas e do Mirto Minino.

Abracos e beijos para os respectivos. =)

2 comentários:

Paula disse...

Olá Meninos!!!

Estou muito feliz que vcs estejam ai e estou achando muito divertidas as histórias. Para confessar estou com um pouco de inveja de vcs, pois queria estar ai!!
aproveitem!!
bjos

Gabriel Ferreira disse...

Velho vc é fera mesmo cara nao paro de rir aqui tudo de bom parabens e cara continua contando essas suas historias muito massas eheheheh